sexta-feira, 20 de abril de 2012

Ode à minha pança


Ó pança que cresceste sem eu dar por ela
que me atormentas quando vou apertar as calças
que me obrigas a deitar na cama para te esticar ao máximo e apertar um simples botão…

Ó pança que espreitas por entre as blusas,
de tão apertadas que elas te ficam,
e que, sem vergonha alguma, demarcas o meu umbigo nos tecidos…

Ó pança mal-amada, que por ter alimentar bem assim ficaste,
que quase me impedes de ver os meus pés
e nem deitada pareces mais pequena…

Ó pança, minha
meu Monte Evereste,
minha inimiga.
quando é que te apercebes, que não és aqui bem-vinda?

6 comentários:

Miss S disse...

ADOREI!!! ADOREI!!!
Achas que também posso dedicar essa ode à minha pança? ;)

Filipa Arez disse...

loloolol adorei :p

Nany disse...

Tenho uma pança igualinha ;)
Nany

sandra disse...

já deitei na cama imensas vezes para apertar o raio do botão ai ai...

Nessi disse...

Esta um selo la no blog a tua espera!
http://www.anothergreatdayingreatbritain.blogspot.co.uk/

A Dieta e a Cidade disse...

Hahahaha! Já tinha escrito esta Ode há uns tempos. Sou mesmo parva!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...